domingo, 10 de outubro de 2010

Boa Noite e Boa Sorte

Boa Noite e Boa Sorte é um filme americano de 2005 que produz uma grande reflexão a respeito do papel da imprensa na época do filme (década de 1950) e também nos dias atuais. O longa conta a história das discussões entre Edward Murrow, o âncora de um programa de grande audiência da CBS, e o senador Joseph McCarthy, responsável pelo macarthismo a conhecida caça aos comunistas durante o contexto da Guerra Fria. A briga começa quando Murrow resolve questionar a demissão de um militar que trabalhava na Aeronáutica acusado de ser um comunista infiltrado nos Estados Unidos. Porém, não há provas que comprovem essa tese e a atitude passa a ser fortemente criticada por Murrow.




O grande trunfo do âncora e de seu programa é abrir os olhos dos telespectadores americanos a um problema grave que poderia acontecer com qualquer pessoas que não concordasse com os métodos utilizados pelo senador. Esse jornalismo passou a exigir um pensamento crítico mais apurado e não simplesmente aceitar o macarthismo de maneira passiva. Outro grande mérito foi o fato de ter sido feita uma acusação a partir de questionamentos e provas concretas, sem que fossem necessárias armações por parte dos jornalistas. Também não havia por parte da CBS nenhuma forma de rabo preso. Seus funcionários não estavam ligados a um determinado partido de oposição ou a um determinado grupo político. Ou seja, foi um trabalho feito com ética e sem que a ideologia de um ou de outro se sobrepusesse ao objetivo maior que era a busca pela verdade e pela justiça. Ao contrário do que acontecia com praticamente todos os veículos de comunicação da época, que viviam com medo de represálias a qualquer tipo de oposição que pudessem fazer ao macarthismo. Obviamente, o trabalho da CBS foi extremamente arriscado. Houve um direito de resposta do senador dentro da própria programação (o que também se mostrou uma atitude louvável da produção) e diversas reclamações e tentativas de desmoralizar o programa. Mas mesmo assim, a postura de Murrow não mudou, o que ocasionou em uma pressão cada vez maior até que McCarthy fosse finalmente obrigado a entregar o seu cargo. A participação dos espectadores também era um ponto muito marcante. As pessoas se envolviam com a discussão e forneciam elementos para a investigação do caso. Parece que havia uma vontade maior de participar das atividades da imprensa.




Quanto a parte técnica do filme, também podemos fazer fortes elogios. A fotografia preta e branca traz um clima mais charmoso e até mais nostálgico da época. Quanto aos cenários não há nenhuma locação externa, tudo se passa dentro dos próprios estúdios da televisão (retratados de modo muito real), o que por um lado nos traz uma familiaridade grande com o local e pelo outro até um certo aprisionamento por na estarmos em nenhum local diferente. David Strathairn está exclente no papel de Murrow, trazendo uma segurança incomum quando é filmado, mas ao mesmo tempo mostrando uma parcela de insegurança fora das câmeras quanto ao resultado de suas falas. O roteiro de George Clooney também é muito eficiente já que outras questões além dos programas também são abordadas para acalmar a tensão existente com o senador. Porém parece faltar um pouco mais da vida pessoal dos personagens fora dos estúdios.




Boa Noite e Boa Sorte pode ser muito bem transferido para a realidade atual. A ausência de vários elementos daquele jornalismo da rede CBS transformaram o jornalismo brasileiro atual em algo muito longe do ideal. Falta ética, comprometimento, inovação, coragem e autonomia para criticar o que esteja acontecendo de errado no país. O envolvimento dos meios de comunicação com os grandes problemas se deve muitas vezes a uma filiação partidária, uma ajuda financeira ou qualquer outro tipo de interesse sujo. A produção é ótima para que essas e outras questões atormentem nossas mentes por um bom tempo.

Confira o trailer:

1 comentários:

Hugo disse...

Clooney já havia mostrado ser bom diretor em "Confissões de uma Mente Perigosa" e aqui confirma o talento na função.

O tema acaba sendo atual, a questão de liberdade de imprensa ainda é combatida por poderosas, assim como a luta de Morrow contra o Senador McCarthy.

Até mais

Postar um comentário