segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Taxi Driver


Taxi Driver é um grande clássico do cinema que popularizou grandes nomes do cinema como o do diretor Martin Scorsese, do ator Robert de Niro e da atriz Jodie Foster. O protagonista é o ex-fuzileiro naval Travis Bickle (Robert de Niro) que procura emprego como taxista em Nova York. Ele sofre de insônia e se diverte assistindo filmes pornográficos nas horas vagas. Ele também tenta conquistar o coração de Betsy (Cybill Sheperd) que trabalha numa campanha eleitoral.



                É notável o desprezo de Travis pelas prostitutas, bandidos e demais marginalizados com quem encontra e convive diariamente. Durante o filme, ele apenas os observa (em alguns momentos o filme se torna um pouco monótono por isso) e a partir do momento em que vê a prostituta Iris Steensma sendo maltratada passa a enfrentá-los (é aí que começa a ação do filme). A atrapalhada aproximação de Travis com Betsy que o despreza quando ele a leva para assistir a um filme pornô ilustra sua tentativa de compensar sua solidão e ao mesmo tempo exibe sua total alienação. Todas essas características compõem o frágil perfil emocional do personagem que se vê obrigado a voltar a lidar com armas a fim de enfrentar aqueles que ele detesta. Aparentemente tranqüilo, ele se mostra um misterioso assassino que não consegue lidar bem com frustrações e indignações com a sociedade e procura um bom motivo para justificar a sua existência.



                As atuações do filme são realmente fantásticas. Robert de Niro interpreta o conturbado Travis de maneira brilhante. Seu personagem adquire uma personalidade imprevisível através de diálogos memoráveis e ações impensadas que ganham força na pele de de de Niro. Jodie Foster com 12 anos interpreta uma prostituta de modo brilhante para alguém de sua idade. Outro destaque são os simbólicos planos de câmera utilizados por Scorsese sempre para acrescentar alguma informação à cena. Esse é o caso da cena em que Travis busca a reconciliação com Betsy por telefone e percebemos que está se constrangendo com o simples distanciamento da câmera da cena para um corredor vazio. O trabalho de fotografia também traz um belo clima mais sombrio à cena do assassinato e, para deixar o filme com aparência menos violenta, deixou o sangue mais escuro.



                Taxi Driver é aquele tipo de filme que te faz pensar mesmo após seu encerramento e que nos abala de alguma forma com uma história surpreendente que não poupa nada do espectador. Semana passada, surgiram rumores de que o filme pode ganhar uma refilmagem com de Niro e Scorses com a colaboração de Lars Von Trier (Dogville e Dançando no Escuro), mas que ainda não se confirmaram. É esperar para ver. 

4 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Visualmente perturbador, escrito sob a negra sombra de Dostoiévski e enigmaticamente protagonizado por Robert De Niro, Taxi Driver é arte sublime, dotado de uma aura superior. É Martin Scorsese na sua melhor forma, levando o noir a novos horizontes.

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

Nekas disse...

Ainda não vi o filme todo, contudo, num dia de zapping apanhei o final e é, no mínimo, perturbador.

Que tipo de parceriA?

Abraço
http://nekascw.blogspot.com/

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

É um grande filme, mas por acaso não é meu Scorsese preferido.

Beto disse...

É o próximo da fila.

Postar um comentário