segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Quando fica difícil conter as lágrimas


Por muitas vezes já me encontrei contendo as lágrimas ao final de um longa metragem. E confesso que não foram poucas essas ocasiões. Certas produções conseguem tocar de forma tão intensa que chega a ser impossível não se emocionar. Nesse post eu vou listar alguns dos filmes que me causaram essa sensação. Não são produções clássicas, memoráveis ou que estejam no topo dos “melhores filmes de todos os tempos”, mas que ficaram gravados na minha memória.

 

3° À Espera de um Milagre (1999)

Frank Darabont merece um Oscar honorário pelas adaptações dos livros de Stephen King  Como todos sabem, exemplos ruins não faltam: “O Código da Vinci”, “O Caçador de Pipas” e, que me perdoem os fãs, “Harry Potter” não conseguem trazer a mesma magia dos livros para a telona. “The Green Mile” (título original de 1999) faz jus ao livro e é tão fabulo quanto a obra.  Muitos conheceram King através desse filme (eu fui um deles por sinal). para o cinema. O cineasta, produtor e roteirista conseguiu com “À Espera de um Milagre” e “Um Sonho de Liberdade” mostrar que é possível sim fazer uma boa produção baseada em obras literárias de sucesso.

Quem também viu “Um Sonho de Liberdade” (fantástico, diga-se de passagem) deve ter saído do cinema com a certeza de ter visto um belo filme. Me surpreendi ao saber que esse último lidera a lista dos melhores filmes da IMDB (http://www.imdb.com/chart/top), votado pelos usuários do site.  A última obra  de impacto do diretor foi “The Mist”, traduzido para “O Nevoeiro”, de 2007 inspirado no conto de terror homônimo de King. Para que você fique mais curioso, esse filme tem o final mais angustiante que eu já vi embora o longa não seja tão bom.  

“À Espera de Um Milagre” é um desses filmes que quase todo mundo já assistiu e gostou. Mesmo com a sua grande duração (188 minutos), o longa consegue prender o expectador do inicio ao fim. É emocionante a trajetória do grandalhão John Coffey, acusado por um crime que não cometeu  e que espera sua execução na Penitenciaria de Cold Mountain.  A história todos já sabem, e o que é unânime é a comoção que esse filme traz.


2º Cidade dos Anjos (1998)

Saber o que nos espera após a morte é um assunto delicado. Acredito que todo mundo já parou um instante para pensar sobre isso. Seria o fim? Estaríamos sozinhos? Será que um dia encontraremos nossos entes que se foram?

“Cidade dos Anjos” mostra um mundo em que estamos cercados por, como o nome sugere, anjos que nos ajudam nos momentos difíceis.  Com direção de Brad Silberling, o filme traz a tona um relacionamento entre um doutora (Meg Rayan) e um anjo (Nicolas Cage) que acaba se apaixonando ao ver sua amada tentando reanimar seu paciente que acabara de morrer.  

O filme é suave, e a trilha sonora é maravilhosa. A banda Goo Goo Dolls carrega até hoje o fardo de ter que cantar em todo show a canção “Iris” (que você já deve ter ouvido, independente de ter visto ou não o filme).   

A grande sacada de “City of Angels” é fazer com que a pessoa reflita sobre a morte. Quem já perdeu uma pessoa amada deve ter sentido um baque ao ver esse filme. E não é por menos, “Cidade dos Anjos” nos faz pensar como aqueles que nós amamos podem estar sempre do nosso lado, seja nesta ou na outra vida.


1° Vanilla Sky (2001)

“Vanilla Sky” me veio como uma boa surpresa. Participei de uma maratona de cinema em 2009, e um dos filmes que assisti foi esse que vos falo. Com um trio espetacular (Tom Cruise, Penélope Cruz e Cameron Diaz) o longa é uma refilmagem de “Abre los Ojos” (1997) do diretor chileno Alejandro Amenábar.  

Um enredo cheio de idas e voltas, altos e baixos fazem com que a história possa confundir um pouco a cabeça do expectador.  Mas essa é a chave do filme, o diferencial que faz com que a conclusão se torne impressionante. Tom Cruise é David Aames, editor poderosíssimo que tem sua vida modificada após conhecer Sofia Serrano (Cruz). Causando ciúmes em Julie Gianni  (Cameron Diaz), com a qual teve uma certa “amizade colorida” por um período, David não imaginaria que em pouco tempo sua vida mudaria repentinamente. Esse é um breve resumo de “Vanilla Sky”. Não pretendo me alongar para acabar com a surpresa (e sugiro que você assista sem ler nenhuma resenha sobre o filme).

Este, na minha opinião, é o melhor filme de Cameron Crowe. “Quase Famosos” é encantador, sem dúvida alguma, mas “Vanilla” tem uma consistência impressionante, nos faz pensar sobre as atitudes que cometemos, sobre as “palavras não ditas” e sobre como não deixar que o amor de nossas vidas passe diante de nossos olhos. Isso pode até soar clichê, e que seja, mas a verdade é que este filme pode ficar grudado na sua cabeça por meses, como aconteceu comigo. “Vanilla Sky” me emocionou como nenhum outro, e até hoje eu não sei o porquê. Assista e confira com os seus próprios olhos.

E você, quais filmes mais te emocionaram?


7 comentários:

bruno knott disse...

Olá!
Vanilla Sky é um filme que me emociona MUITO...

Além dele, posso citar UP, WALL-E (o começo de ambos).
As Pontes de Madison! Hmmm... tenho que pensar!

adicionei seu blog nos links do cultura intratecal.
abração!

kah disse...

'Á Espera de um Milagre' certamente é um dos filmes mais emocionantes que ja vi. Sua história envolvente prende o público do início ao fim. Concordo sobre o final de 'O Nevoeiro', porém considero o resto do filme igualmente angustiante. Nunca vi 'Cidade dos Anjos', já 'Vanilla Sky' é um daqueles filmes que a cada vez que vejo, noto coisas diferentes. Excelente lista!

http://cinemaemdvd.blogspot.com

Kamila disse...

Curiosamente, eu não chorei em nenhum desses filmes. Os que mais me emocionaram: "Lado a Lado", "Uma Lição de Vida", "Em Busca da Terra do Nunca" e "Sociedade dos Poetas Mortos".

Alyson Xyzyx disse...

Filmes que chorei: Na Natureza Selvagem, Orações para Bobby, Eu não tenho medo,O Sexto sentido e que eu me lembre só. Sou meio insensível mesmo..rs!

Abraços!

Keizy Barreiro disse...

Nossa...todos esses filmes ai são ótimooos
Só não assistir Vanilla Sky, mas pelo que eu li, parece ser bom.

E pra mim há muitos filmes bons e que me emocionaram muiiito
1. A procura da felicidade
2. Sete Vidas
3. Marley e Eu

E muiitos outros, que não me lembro os nomes agora.

Beijoos
Adoreii seu blog

Gustavo H.R. disse...

Ah, então somos dois... Como não se emocionar com THE GREEN MILE?

Chorar com um filme é muito bom, pois não se está chorando por alguma desgraça real... E merecem aplausos os artistas que conseguem extrair tão forte emoção de nós!

Fernando disse...

Olha uma coisa que é difícil de me acontecer é chorar em filme...muito difícil mesmo, mas tem em especial que me fez cair em pranto e quase ninguém conhece: Elegy com Penelope Cruz e Ben Kingsley... muito bom!

Postar um comentário