quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Videoteca Básica - Cidadão Kane

               Cidadão Kane é uma revolução no cinema. Um filme desacreditado e colocado nas mãos de Orson Welles, jovem diretor de 24 anos que nunca teve nenhum tipo de sucesso e que poderia criar o filme que quisesse, era visto com desconfiança. Mas deu muito certo. Cidadão Kane é uma verdadeira aula de cinema impecável em todos os aspectos. A trama começa com a morte do magnata das telecomunicações Charles Foster Kane e com a sua última palavra antes da morte: Rosebud. A partir disso, vemos uma pequena descrição de sua tumultuada vida e jornalistas passam a investigar o que significa a misteriosa palavra e saber mais de sua vida entrevistando amigos, conhecidos e ex-esposas. Na época, havia suspeitas de que o filme retratava a vida do magnata William Randolph Hearst. Ele tentou boicotar a exibição da produção, mas não conseguiu.



              A história é contada em flashback e com isso conhecemos sua infância pobre e a transformação em sua vida quando herda uma mina de ouro e tem que abandonar os pais. Ao assumir sua fortuna comanda um jornal falido, faz dele um sucesso, se candidata a governador, se coloca em diversos escândalos públicos e acaba perdendo tudo o que tem. Através de um roteiro magnífico, as histórias contadas pelas pessoas que conviveram com Kane garante uma visão mais profunda de quem era ele e deixa a cargo do espectador entender porque ele se tornou arrogante, prepotente e ficou sozinho. Clichês como “dinheiro não traz felicidade” não cabem para um enredo que se aprofunda na personalidade, no poder, no dinheiro e nos verdadeiros interesses de Kane. Interesses esses que parecem acabar com qualquer tipo de sentimento bom que o magnata tenha ao se aproximar das pessoas. Mesmo perto delas, o milionário parece estar sempre sozinho. Também nos questionamos se Kane realmente queria assumir toda essa fortuna. Mas mesmo assim, nem tudo fica claro. Ao fim do longa-metragem ficamos pensando um pouco mais sobre a vida de Kane e refletimos sobre o sentido da palavra “Rosebud”.



              Orson Welles encarna Kane com muita personalidade. Seu personagem é enigmático, surpreendente e muito interessante. Seu sarcasmo e seu cinismo o tornam inesquecível. Os outros também se saem muito bem, mas Joseph Cotten (o amigo Lelland) é destaque com um belo discurso sobre o antigo amigo. Mas o principal ponto está na parte técnica. Na fotografia, nos cenários e nos planos de câmera. Diferente de todos os filmes anteriores, Cidadão Kane inova e tudo o que traz é simbólico. Tudo o que há em cena quer acrescentar alguma informação à história. Isso apenas com um plano de câmera, um objeto ou um pela simples posição dos atores. A profundidade dos atores na cena, as sobreposições de imagem, o cenário que aparece inteiro em um só plano são alguns dos recursos utilizados.




           É muita coisa a ser dita. Cidadão Kane fez pouco sucesso em sua época, mas passou a ser reconhecido depois. Reconhecido por inovar e trazer uma nova capacidade ao cinema. Principalmente, para uma época em que os recursos ainda eram escassos e limitados e todos os seus realizadores desconhecidos. Essa é uma obra-prima necessária para qualquer fã de cinema.

1 comentários:

Érico Pena disse...

Meu amigo, aqui estou pra retrebuir sua visita e dizer que a segunda parte da postagem número 100 do cinemeiros ja ta no blog fazendo o seguinte questionamento a vc: COMO É A PÓS – PRODUÇÃO DE UM FILME? vc q manja de cinema deve saber muito bem mais se quiser dar uma olhada no cinemeiros fique a vontade e descubra ok.
Com relação ao seu magnífico post, devo dizer q CIDADÃO KANE é um filme simplesmente fantástico e foi o ultimo filme q cheguei assistir em fita de VHS, no extinto VIDEO-CASSETE!! com certeza um filme antigo q deixa muitos novos "no chinelo" e q é uma verdadeira aula de cinema por todos os fatores inovadores q trouxe na época como vc mesmo mencionou. É o exemplar q td cinéfilo e cinemeiro deveria ter.
E pra finalizar, gostaria de dizer q já sou seguidor do seu blog q tem muito haver com o meu e ken sabe a gente possa futuramente ficar trocando algumas informações pertinentes à sétima arte? um grande abraço e não eskeça de passar lá no blog, ken sabe assim vc não participa até da nossa comu no orkut.
Até mais mano, mt paz e sucesso aí no seu blog
http://cinemeirosnews.blogspot.com/2010/01/post-n-100-parte-ii.html#comments

Postar um comentário