domingo, 10 de janeiro de 2010

Grandes nomes

Nesta seção abordaremos os grandes nomes consagrados na sétim arte como diretores, atores e roteiristas.

Stanley Kubrick
Stanley Kubrick era um gênio. O diretor e também roteirista de seus próprios filmes era sempre polêmico por apresentar de modo sarcástico e crítico sua visão sobre temas como política (Laranja Mecânica e Dr. Fantástico), a guerra (Nascido para matar e Glória Feita de Sangue), o futuro (2001: Uma Odisséia no Espaço) e também traições, relacionamentos (Lolita e De Olhos bem Fechados) e vingança (Spartacus). E isso sem qualquer tipo de censura ou tentativa de poupar seus espectadores de cenas mais chocantes. Gostava de usar um humor politicamente incorreto, com piadas preconceituosas e irônicas sobre a sociedade. O sexo, a nudez e a violência eram presenças constantes em suas produções, o que chocava seu público e criticava o conservadorismo de sua época. Por isso, o diretor também foi castigado pela censura em alguns países do mundo.



Seus personagens também foram marcantes. Muitos deles sofriam algum tipo de distúrbio psicológico que levando a uma loucura que desencadeava assassinatos, traições, vinganças e o suicídio. Pois foi esse “descontrole” que originou algumas das melhores cenas de seus filmes. O diretor também ficou conhecido pela grande exigência na atuação de seus atores. Não admitia que fossem “mimados” nem que tivessem algum tipo de privilégio. Por isso, chegava a filmar até 100 vezes a mesma cena (como em O Iluminado), a fim de trazer um realismo impressionante. De fato, as representações também são um ponto forte de seus filmes e era difícil observar alguma má atuação em cena. Outro ponto importante eram os figurinos. Os trajes de cada filme eram uma peça essencial e traziam uma originalidade cada vez maior aos personagens. Alguns se tornaram marcas registradas, como os de Alex em Laranja Mecânica e os do filme Barry Lyndon. Também gostava de planos longos e sem cortes, usava muito a subjetiva (câmera em primeira pessoa) e também a narração de seus protagonistas. A partir de Spartacus teve controle total sobre os conteúdos de seus filmes e pode desenvolver suas idéias livremente.



Kubrick se envolveu em polêmicas. Seus roteiros eram adaptados de obras literárias e alguns foram duramente criticados pelos escritores dos livros. Também teve problemas de relacionamentos quando exigia a perfeição máxima de seus atores e também com a equipe técnica. Sua versatilidade o permitiu produzir filmes épicos e futuristas. Filmes de terror, de drama, de guerra, de romance e suspense também fizeram parte de sua biografia. Kubrick fez história e merece ter a sua obra apreciada pelos grandes fãs de cinema.



Confira suas prinipais obras-primas:

• 1999 - De Olhos Bem Fechados (Eyes Wide Shut)
• 1987 - Nascido Para Matar (Full Metal Jacket)
• 1980 - O Iluminado (The Shining)
• 1975 - Barry Lyndon (Barry Lyndon)
• 1971 - Laranja Mecânica (A Clockwork Orange)
• 1968 - 2001 - Uma Odisséia no Espaço (A Space Odissey)
• 1964 - Dr. Fantástico (Dr. Strangelove or How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb)
• 1962 - Lolita (Lolita)
• 1960 - Spartacus (Spartacus)
• 1957 - Glória Feita de Sangue
• 1956 - O Grande Golpe
• 1955 - A Morte Passou por Perto
• 1953 - Fear and desire
• 1951 - Flying Padre
• 1950 - Day of the fight

*Com informações do site: http://www.cineplayers.com/perfil.php?id=11530

2 comentários:

bianca disse...

Há mais de uma versão de Lolita, não? É que eu cheguei a ver uma que não parecia ser tão antiga assim.

CINECLUBE01 disse...

Sim Bianca. Há uma versão de 1997 de Lolita de Adrian Lyne

Postar um comentário